Pular para o conteúdo principal

ATENÇÃO: LÉSBICAS NA PISTA!




Gays conquistam espaço, visibilidade e respeito. E as lésbicas?

Fala-se muito sobre gays, em cada grupo de amigos há no mínimo um gay assumido com aquela alegria contagiante e sempre com muita personalidade conquistam a visibilidade que precisam pra mostrar que não vieram aqui pra brincadeira e vão em busca dos seus objetivos. Nos dias de hoje, mesmo tendo que vencer certos preconceitos, os gays ganham respeito perante à sociedade. Talvez seja pelo fato deles não terem vergonha de assumir a homossexualidade, ao contrário das lésbicas que preferem ser mais reservadas.

Em geral, pelo fato dos gays se assumirem cada vez mais cedo e adquirirem um estilo de vida bem peculiar, fica difícil disfarçar sua orientação e acredito que não esteja em seus planos. Por isso mesmo que o homossexual masculino ganha mais visibilidade, justamente por se mostrarem mais e como disse o grande Cazuza: “Só quem se mostra, se encontra. Por mais que se perca no caminho”. E os gays estão aí: nas ruas, nas escolas, nos eventos de orgulho gay levantando a bandeira defendendo a causa e protestando contra o preconceito.

É difícil encontrar uma mulher que se assuma lésbica sem constrangimento. Acredito que seja pelo fato de que a mulher, é mais reservada não só em questão ao relacionamento, mas em relação às outras coisas que envolvem o mundo feminino. Talvez por estarmos acostumadas a viver em um mundo essencialmente machista que desde criança aprendemos que mulher de respeito é aquela que se dá valor, aquela que é reservada.

Há mulheres, que assim como eu, têm vida social e profissional ativa e por receio da reação dos colegas de trabalho, preferem não revelar e até mentir sobre sua condição sexual. Todos sabemos que ainda existe preconceito, meio camuflado mas existe, só que não podemos ser escravos do que as pessoas vão pensar. Certo dia uma amiga no trabalho questionou se eu assumiria caso alguém direcionasse a pergunta sobre homossexualidade, respondi que sim. Porque mentir ou se ocultar pra agradar? Seja o que você for, seja o que você fizer, as pessoas sempre vão falar. Ninguém agrada todo mundo e sinceramente, aprendi que quanto mais tentamos agradar, mais afastamos as pessoas. O segredo é você fazer o que seu coração mandar, certamente você vai se sentir bem e as pessoas se aproximarão de você.

E tocando um pouco no assunto do esteriótipo que gays são femininos e lésbicas são masculinas, as pessoas vivem em um mundo de ilusão rotulando uns aos outros, sem nem ao menos ter conhecimento das coisas que falam. As pessoas não se tornam melhores ou piores, por serem e agirem de modo que se sintam bem.

Acredito que antes de levantarmos a voz e pedir respeito, devemos primeiro respeitar a nós mesmos. Não adianta levantar a bandeira se você não sente à vontade pra assumir ser lésbica por medo da reação das pessoas. Se você não faz nada errado, porque temer? A partir do momento que entendermos que não há nada de mal em ser homossexual e assumir sem medo, podemos aos poucos ir conquistando espaço e a visibilidade pra adquirir o respeito que tanto desejamos.

Quanto mais lutarmos pelos nossos direitos e não termos vergonha de combater a homofobia, mais chances teremos de garantir um futuro melhor e menos preconceituoso. Se não tivermos atitudes e nos orgulharmos de quem somos e se impor perante à sociedade, nunca iremos conquistar a visibilidade e o respeito pra que enfim vivermos uma vida digna de um cidadão comum e poder demonstrar nossos sentimentos sem medo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

IMPRENSA GAY: Será que ela é?

No Brasil, a imprensa especializada no segmento gay ainda não é tão desenvolvida como nos Estados Unidos e outros países do globo. Enquanto pelos lados de lá pipocam publicações voltadas para este público e a cada dia que passa se fortalecem mais, por aqui ainda temos muito o que construir e conquistar.
No que se refere à existência de jornais e revistas brasileiros voltados para este público, a história é bastante complexa e rende várias versões, mas todas parecem concordar que os primeiros periódicos gays de que se tem notícia surgiram na década de 1960. Tais periódicos eram quase sempre artesanais, de circulação restrita e efêmeros, entretanto seu aparecimento foi de grande importância para abrir outras possibilidades de pensar o homossexual, numa época em que a repressão e o conservadorismo davam o tom.
O tempo passou, muitas coisas mudaram, começou-se a falar de um chamado mercado gay e algumas publicações foram criadas para tratar do segmento. Atualmente, temos duas revistas de ci…

Manual de Comunicação LGBT: exercício metodológico para pesquisar a homossexualidade na mídia brasileira

Neste artigo, desenvolvemos parte do procedimento metodológico que utilizaremos em nossa pesquisa monográfica. O objetivo é exercitar a criação de uma grade analítica a partir do Manual de Comunicação LGBT (publicação lançada pelo movimento gay brasileiro para normatizar o tratamento dispensado pela mídia às questões que dizem respeito à comunidade LGBT do país) que nos auxiliem na análise discursiva que faremos da homossexualidade nas revistas semanais brasileiras no ano de 2010, tendo o supracitado Manual como um referencial temporal e teórico-metodológico.
Baixe o artigo clicando aqui.
Confira o Manual de Comunicação LGBT

HOMOSSEXUALISMO = HOMOSSEXUALIDADE?

Durante participação no INTERCOM 2010, na oficina de Imprensa Colorida, discutimos sobre a diferença entre os termos homossexualidade e homossexualismo. Após conhecimento adquirido, fomos aos corredores questionar alguns dos participantes do evento: para você, existe diferença entre homossexualismo e homossexualidade?
A maioria dos entrevistados acha que não há diferença entre os termos. Para eles, homossexualidade e homossexualismo sempre tiveram o mesmo significado e ficaram muitos surpresos em saber que, de fato, existe. E uma minoria sabe que há uma diferença, mas não tem o conhecimento do que quer dizer cada um dos termos.
Mas afinal, qual é a diferença?. Então, para esclarecer de vez a dúvida: em 1990 o termo “homossexualismo” foi retirado da CID, da Organização Mundial de Saúde, por estar na lista de distúrbios mentais. E em 1999, retirado do Conselho Federal de Psicologia, não sendo mais considerado uma doença.
E aproveitando que não existe mais essa coisa absurda de ser taxad…