Pular para o conteúdo principal

Intercom oferece alternativas para público LGBT

O Intercom, Congresso Brasileito de Ciências da Comunicação, oferece em Caxias do Sul duas oficinas que tratam explicitamente do tema homossexualidade. As oficinas tiveram 100% de matrículas efetuadas pelo sistema virtual do congresso.

“Homossexualidade e visibilidade na sociedade midiática” e “Imprensa Colorida: produção de jornalismo dirigida para o público LGBT” são os dois minicursos oferecidos no Intercom Nacional em 2010.

“Nada mais natural que se trate com abertura todas as possibilidades de tema que dizem respeito aos jovens e às relações sociais contemporâneas. Não se tem mais essa fixação em dois gêneros, não se configura mais, não se separa pessoas heteros de homossexuais, não é porque uma pessoa possui determinado relacionamento que seu tratamento deve ser diferenciado. Afirma a organizadora regional das oficinas, Najara Pinheiro.

Cassandra Brunetto, congressista, graduada em Relações Públicas pela Unisinos, vê a relevância de se tratar do assunto em eventos dessa estirpe. “O tema homossexualidade está cada vez mais forte e ganhando mais repercussão dentro do Intercom, vejo publicações, apresentações de trabalho que aborda situações de gênero e assuntos que relacionam. O número de gays inscritos é bem maior se comparado a quantidade de heteros, falo isso pelas pessoas que conheço, que convivo, pelas redes sociais que os congressistas participam e por conhecer esse ambiente acadêmico”, indaga Cassandra.

Além das oficinas foram organizadas quatro festas direcionadas para o público GLBT, através de uma iniciativa surgiu do aluno de Jornalismo da UCS, Marco Antônio Matos, que também é integrante da comissão organizadora do Intercom Caxias do Sul. “Sempre fui a congressos e me sempre me deparei com a falta de confraternizações para essa classe, então coloquei em prática essa alternativa. Conversando com um amigo, proprietário de uma boate, considerada a melhor casa GLS do Rio Grande do Sul, vimos a possibilidade da organização de noites festivas para os congressistas”, explica Marco Antônio.

A expectativa é de que cada noite participem das festas cerca de 600 pessoas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

IMPRENSA GAY: Será que ela é?

No Brasil, a imprensa especializada no segmento gay ainda não é tão desenvolvida como nos Estados Unidos e outros países do globo. Enquanto pelos lados de lá pipocam publicações voltadas para este público e a cada dia que passa se fortalecem mais, por aqui ainda temos muito o que construir e conquistar.
No que se refere à existência de jornais e revistas brasileiros voltados para este público, a história é bastante complexa e rende várias versões, mas todas parecem concordar que os primeiros periódicos gays de que se tem notícia surgiram na década de 1960. Tais periódicos eram quase sempre artesanais, de circulação restrita e efêmeros, entretanto seu aparecimento foi de grande importância para abrir outras possibilidades de pensar o homossexual, numa época em que a repressão e o conservadorismo davam o tom.
O tempo passou, muitas coisas mudaram, começou-se a falar de um chamado mercado gay e algumas publicações foram criadas para tratar do segmento. Atualmente, temos duas revistas de ci…

Manual de Comunicação LGBT: exercício metodológico para pesquisar a homossexualidade na mídia brasileira

Neste artigo, desenvolvemos parte do procedimento metodológico que utilizaremos em nossa pesquisa monográfica. O objetivo é exercitar a criação de uma grade analítica a partir do Manual de Comunicação LGBT (publicação lançada pelo movimento gay brasileiro para normatizar o tratamento dispensado pela mídia às questões que dizem respeito à comunidade LGBT do país) que nos auxiliem na análise discursiva que faremos da homossexualidade nas revistas semanais brasileiras no ano de 2010, tendo o supracitado Manual como um referencial temporal e teórico-metodológico.
Baixe o artigo clicando aqui.
Confira o Manual de Comunicação LGBT

HOMOSSEXUALISMO = HOMOSSEXUALIDADE?

Durante participação no INTERCOM 2010, na oficina de Imprensa Colorida, discutimos sobre a diferença entre os termos homossexualidade e homossexualismo. Após conhecimento adquirido, fomos aos corredores questionar alguns dos participantes do evento: para você, existe diferença entre homossexualismo e homossexualidade?
A maioria dos entrevistados acha que não há diferença entre os termos. Para eles, homossexualidade e homossexualismo sempre tiveram o mesmo significado e ficaram muitos surpresos em saber que, de fato, existe. E uma minoria sabe que há uma diferença, mas não tem o conhecimento do que quer dizer cada um dos termos.
Mas afinal, qual é a diferença?. Então, para esclarecer de vez a dúvida: em 1990 o termo “homossexualismo” foi retirado da CID, da Organização Mundial de Saúde, por estar na lista de distúrbios mentais. E em 1999, retirado do Conselho Federal de Psicologia, não sendo mais considerado uma doença.
E aproveitando que não existe mais essa coisa absurda de ser taxad…