Pular para o conteúdo principal

Papo sério: a violência psicológica contra homossexuais na universidade


Num curso de economia de certa universidade federal, determinado professor perde a paciência com as conversas paralelas entre os alunos e pede, irritado: “vamos parar com a viadagem!”. Nenhum aluno parece se importar com a escolha de termo do professor, com exceção, é claro, do único estudante homossexual da turma, que se sente visivelmente constrangido. No trote do curso de direito, realizado no prédio ao lado, o 24º classificado no vestibular recebe uma faixa de “bixo viado”, sob aplausos e gritos dos colegas. Situações como essa fazem parte da vida acadêmica e, surpreendentemente, ninguém parece se importar.

Enquanto a violência física é condenada pela comunidade universitária de forma quase unânime, a violência simbólica – como apelidos e piadas – não é considerada uma questão grave. Para o estudante de publicidade Matheus Correa, de Goiânia, a gozação entre estudantes é normal e até saudável. “Não considero uma forma de preconceito”, ele afirma. Prática que já é combatida no ensino básico, o bullying psicológico prolifera incólume nos cursos de graduação.

Carla Schneider, que já foi professora do departamento de comunicação da Universidade Federal de Pelotas, conta que o preconceito existe mesmo entre os professores. Ela diz que já ouviu membros do corpo docente fazendo comentários maldosos sobre estudantes que pareciam “afeminados”. Já Myra Gonçalves, professora do curso de extensão em fotografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, alerta para a disseminação silenciosa do preconceito em sala de aula: “já presenciei casos de que alunos são discretamente isolados pelo restante do grupo por causa de sua orientação sexual”.


A violência psicológica entre alunos e professores pode levar desde a depressão e a evasão escolar até tragédias maiores, como a violência física e o suicídio. A universidade, enquanto espaço de reflexão, ao fechar os olhos para a problemática, legitima a homofobia, prática hedionda que tanto lutamos para combater no cotidiano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

IMPRENSA GAY: Será que ela é?

No Brasil, a imprensa especializada no segmento gay ainda não é tão desenvolvida como nos Estados Unidos e outros países do globo. Enquanto pelos lados de lá pipocam publicações voltadas para este público e a cada dia que passa se fortalecem mais, por aqui ainda temos muito o que construir e conquistar.
No que se refere à existência de jornais e revistas brasileiros voltados para este público, a história é bastante complexa e rende várias versões, mas todas parecem concordar que os primeiros periódicos gays de que se tem notícia surgiram na década de 1960. Tais periódicos eram quase sempre artesanais, de circulação restrita e efêmeros, entretanto seu aparecimento foi de grande importância para abrir outras possibilidades de pensar o homossexual, numa época em que a repressão e o conservadorismo davam o tom.
O tempo passou, muitas coisas mudaram, começou-se a falar de um chamado mercado gay e algumas publicações foram criadas para tratar do segmento. Atualmente, temos duas revistas de ci…

Manual de Comunicação LGBT: exercício metodológico para pesquisar a homossexualidade na mídia brasileira

Neste artigo, desenvolvemos parte do procedimento metodológico que utilizaremos em nossa pesquisa monográfica. O objetivo é exercitar a criação de uma grade analítica a partir do Manual de Comunicação LGBT (publicação lançada pelo movimento gay brasileiro para normatizar o tratamento dispensado pela mídia às questões que dizem respeito à comunidade LGBT do país) que nos auxiliem na análise discursiva que faremos da homossexualidade nas revistas semanais brasileiras no ano de 2010, tendo o supracitado Manual como um referencial temporal e teórico-metodológico.
Baixe o artigo clicando aqui.
Confira o Manual de Comunicação LGBT

HOMOSSEXUALISMO = HOMOSSEXUALIDADE?

Durante participação no INTERCOM 2010, na oficina de Imprensa Colorida, discutimos sobre a diferença entre os termos homossexualidade e homossexualismo. Após conhecimento adquirido, fomos aos corredores questionar alguns dos participantes do evento: para você, existe diferença entre homossexualismo e homossexualidade?
A maioria dos entrevistados acha que não há diferença entre os termos. Para eles, homossexualidade e homossexualismo sempre tiveram o mesmo significado e ficaram muitos surpresos em saber que, de fato, existe. E uma minoria sabe que há uma diferença, mas não tem o conhecimento do que quer dizer cada um dos termos.
Mas afinal, qual é a diferença?. Então, para esclarecer de vez a dúvida: em 1990 o termo “homossexualismo” foi retirado da CID, da Organização Mundial de Saúde, por estar na lista de distúrbios mentais. E em 1999, retirado do Conselho Federal de Psicologia, não sendo mais considerado uma doença.
E aproveitando que não existe mais essa coisa absurda de ser taxad…