Pular para o conteúdo principal

Kamasutra Gay

Chega de acreditar e aceitar que
o sexo só é válido e lícito se tiver como
objetivo a reprodução da espécie. Homossexuais desejam exercer sua sexualidade e as diferentes forma de desfrutá-la, almejam alcançar liberdade de prazer que o corpo tem direito a desfrutar.

Nosso corpo possui certos pontos facilmente identificados quando estimulados. São as chamadas zonas erógenas, que aumentam as possibilidades de prazer até limites insuspeitáveis. Entre elas estão: a glande, o saco escrotal, os mamilos, além do pescoço, orelhas, nádegas e ânus.

Umas das práticas indispensáveis do sexo entre homens é o sexo oral. De acordo com Alicia Gallotti, autora do livro Kama Sutra Gay – Para desfrutar o máximo da sexualidade, o prazer que o sexo oral proporciona é um dos maiores que se pode sentir e oferecer. “O contato da boca e da língua úmida aumenta a excitação do que está sendo lambido, beijado e chupado, e também daquele que sente na boca a potencia da ereção e o contato do pênis tenso e sua glande vermelha”,
diz a autora em seu livro.

No universo homossexual, duas
expressões são comumente usadas: ativo e passivo. Ativo é o homem que penetra, já o passivo é aquele que é penetrado. Existem homens exclusivamente ativo ou passivo e aqueles que são ambos, chamados de versátil.

A penetração e estimulação anal é fonte de um prazer pouco comparado a qualquer outro, pois através dela se pode massagear a próstata. A estimulação da glândula prostática eleva a libido a tal ponto que alguns homens nesse instante desejam ejacular.

O sexo entre homens não possui mistérios, porém especificidades que devem ser conhecidas pelos que desejam vivenciar livremente sua orientação sexual, sem tabus, sem preconceitos e sem inibições.



Para continuar lendo e ver algumas posições: http://www.4shared.com/document/7jZfynms/Ele_com_Ele_as_diferentes_form.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

IMPRENSA GAY: Será que ela é?

No Brasil, a imprensa especializada no segmento gay ainda não é tão desenvolvida como nos Estados Unidos e outros países do globo. Enquanto pelos lados de lá pipocam publicações voltadas para este público e a cada dia que passa se fortalecem mais, por aqui ainda temos muito o que construir e conquistar.
No que se refere à existência de jornais e revistas brasileiros voltados para este público, a história é bastante complexa e rende várias versões, mas todas parecem concordar que os primeiros periódicos gays de que se tem notícia surgiram na década de 1960. Tais periódicos eram quase sempre artesanais, de circulação restrita e efêmeros, entretanto seu aparecimento foi de grande importância para abrir outras possibilidades de pensar o homossexual, numa época em que a repressão e o conservadorismo davam o tom.
O tempo passou, muitas coisas mudaram, começou-se a falar de um chamado mercado gay e algumas publicações foram criadas para tratar do segmento. Atualmente, temos duas revistas de ci…

Manual de Comunicação LGBT: exercício metodológico para pesquisar a homossexualidade na mídia brasileira

Neste artigo, desenvolvemos parte do procedimento metodológico que utilizaremos em nossa pesquisa monográfica. O objetivo é exercitar a criação de uma grade analítica a partir do Manual de Comunicação LGBT (publicação lançada pelo movimento gay brasileiro para normatizar o tratamento dispensado pela mídia às questões que dizem respeito à comunidade LGBT do país) que nos auxiliem na análise discursiva que faremos da homossexualidade nas revistas semanais brasileiras no ano de 2010, tendo o supracitado Manual como um referencial temporal e teórico-metodológico.
Baixe o artigo clicando aqui.
Confira o Manual de Comunicação LGBT

HOMOSSEXUALISMO = HOMOSSEXUALIDADE?

Durante participação no INTERCOM 2010, na oficina de Imprensa Colorida, discutimos sobre a diferença entre os termos homossexualidade e homossexualismo. Após conhecimento adquirido, fomos aos corredores questionar alguns dos participantes do evento: para você, existe diferença entre homossexualismo e homossexualidade?
A maioria dos entrevistados acha que não há diferença entre os termos. Para eles, homossexualidade e homossexualismo sempre tiveram o mesmo significado e ficaram muitos surpresos em saber que, de fato, existe. E uma minoria sabe que há uma diferença, mas não tem o conhecimento do que quer dizer cada um dos termos.
Mas afinal, qual é a diferença?. Então, para esclarecer de vez a dúvida: em 1990 o termo “homossexualismo” foi retirado da CID, da Organização Mundial de Saúde, por estar na lista de distúrbios mentais. E em 1999, retirado do Conselho Federal de Psicologia, não sendo mais considerado uma doença.
E aproveitando que não existe mais essa coisa absurda de ser taxad…